psicopedagogia

As férias e os TPC’s…

Como psicopedagoga nunca fui a favor de trabalhos escolares em tempo de férias. Por isso é que se chamam férias. Para se descansar do ritmo alucinante e da carga horária excessiva das aulas e matérias. Para se fugir à rotina escolar. Para brincar, dormir e não fazer nenhum.

Se nós adultos quando estamos de férias, desligamos ou tentamos desligar ao máximo, das nossas tarefas profissionais, para quê? para descansar e recarregar baterias,  por que raio os miúdos não hão-de fazer o mesmo?

Ontem tive que ir à Fnac, e passei pela secção de livros escolares. Fico chocada com a quantidade de livros de atividades escolares “para férias” que existem: “Ditados para férias”, “Fichas de língua portuguesa para férias”, “Fichas de matemática para férias”… Fichas, fichas e mais fichas.

Como se não bastasse um ano letivo a transbordar de fichas, os desgraçados dos miúdos ainda têm que levar com elas nas férias, também. Fico a imaginar as pobres crianças dos pais que se põem a comprar estes livros, na esperança de “estimular para não esquecer a matéria”. Uma novidade que vos vou dar pais: a única coisa que vão estimular com estes livros de atividades para férias, é a aversão à escola e a tudo o que tenha a ver com a aprendizagem formal (que já levam com ela de uma forma pesadissíma ao longo do ano). E mais me dói na alma, quando estão a fazer as malas para ir de férias para algum sítio e colocam um livrinho destes para o filho. Também colocam para vocês na mala de viagem capas de trabalho?

O que devem fazer então para estimular a leitura, o cálculo, o gosto pelo estudo do meio, em tempo de férias?

Férias é igual a tempo. Temos tempo para tudo. Então vamos criar, desenvolver nas crianças a aprendizagem pela experiência e descoberta através de tarefas do nosso dia a a dia! Sem aquela formalidade em forma de ficha.

Porque não estimular a leitura com livros de banda desenhada (era tão bom no meu tempo e está tão em desuso), na ajuda a ler uma receita que vão preparar para o jantar (porque não escrevê-la com a letrinha deles para ajudarem no jantar?), na leitura de uma ementa do restaurante onde vão almoçar, na leitura de uma notícia que está a ler no jornal que comprou para levar para a praia! Cantem músicas, decore, desse a esse trabalho de decorar e cantar com o seu filho músicas (estará a trabalhar para o desenvolvimento da consciência fonológica – daqui a uns tempos falarei sobre isto!)

E o cálculo? Peça ajuda na cozinha para medir e pesar ingredientes, com Legos pode brincar às frações, puxe pela imaginação e comece um jogo de chegar à adivinha de um cálculo. Já viu a quantidade de matéria que aprendemos só aqui? Tenha o prazer de ensinar o seu filho. Não é tão bom ele dizer a alguém: “foi a minha mãe/meu pai que me ensinou a fazer isto.”? Aproveite para aumentar o vínculo que o liga ao seu filho. Vai ver que os momentos de birra diminuem. Acredite em mim.

Quanto ao estudo do meio, compre um livro ou vá para a internet com o seu filho e pesquisem sobre os animais e plantas e depois fazer um jogo de perguntas e respostas em que quem ganhar leva um valente dum gelado ou uma ida à piscina! Faça pequenas experiências caseiras de plantação dum feijão, duma erva aromática e escrever as transformações que vão ocorrendo. E se estiver ou for para o campo então está ganho na quantidade de coisas que há para ver, descobrir e aprender. E uma ida ao jardim zoológico, a um museu? Dá assunto para uma semana no mínimo com aquilo que vemos.

Mas se mesmo assim, é daqueles pais que acha que o seu filho precisa de umas fichas “pois só assim é que ele aprende a matéria”, faça o seguinte: Quando comprar os livros novos referentes ao próximo ano letivo, ali para o início de setembro, sente-se com ele e desfolhem os livros e junto dele, tentem perceber que tipo de matérias vão dar e faça alguns exercícios COM ele de português, matemática ou estudo do meio. Crie junto dele boas expectativas em relação ao novo ano letivo que se avizinha.

Mas por amor aos seus filhos… Não comprem livros de atividades de português e afins nas férias. Vivam e deixem viver as férias. Sem grande rotinas, sem nenhum obrigação escolar.

 

Vera Oliveira

 

 

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s